NOVO HAMBURGO

25°C

Publicidade

Companhia dos EUA, responsável por milhões de pares de calçados no Vale do Sinos no passado, decreta concordata

Várias indústrias gaúchas, principalmente de Campo Bom e Sapiranga, eram as responsáveis pelas produções

10 de Abril, 2018 às 11:29

Calçados femininos alavancaram negócios da Nine West pelo mundo. Divulgação

ATUALIZAÇÃO às 14h50: Em razão de uma tradução de expressão técnica, o Portal Martin Behrend cometeu um equívoco. A Nine West decretou CONCORDATA, e não falência.


Nos anos de ouro das exportações calçadistas brasileiras, com mais destaque para o final da década de 1970, década de 1980 e começo da década de 1990, diversas empresas e companhias dos Estados Unidos criaram bases sólidas no Vale do Sinos. Com pedidos de milhões de pares de calçados, era preciso acompanhar o desenvolvimento dos sapatos, fiscalizar o embarque e negociar preços sempre muito ajustados.


Uma dessas companhia que fez chover dólares no Vale do Sapateiro foi a Nine West. A empresa era responsável por garantir a produção anual e empregar milhares de sapateiros na Calçados Reichert, Schmidt Irmãos e Paquetá Calçados. Outras empresas, como Malu e Maide, de Dois Irmãos, também atendiam a absurda demanda dos americanos. Foi um período de ouro.


A grife americana Nine West, ícone do segmento calçadista e da moda, foi criada pelo designer Vince Camuto em parceria com o sócio Jerome Fischer. Posteriormente, o Jones Apparel Group adquiriu a marca por quase um bilhão de dólares.


Na semana passada, a Nine West decretou concordata - haverá ainda uma tentativa de recuperação judicial da empresa para evitar a falência. Inclusive, clientes do Brasil esperam receber valores devidos.


Essa situação já vinha sendo desenhada há alguns anos. As dívidas superam US$ 1 bilhão (no câmbio de hoje, cerca de R$ 3,4 bilhões). Em 2016, a agência internacional de “rating” Fitch alertava para esse risco. Pagamento de juros, prazo de vencimento, perda operacional e aperto de fornecedores foram se acumulando nos últimos anos. Além disso, o declínio da circulação nos shoppings das classes B e C, a concorrência da Amazon e dos vendedores fora do preço, e as mudanças nas preferências de gastos dos consumidores colaboraram para os problemas no conglomerado.


Publicidade


Essa situação da Nine West - conhecida pelos calçados femininos e bolsas icônicas – também confirma uma mudança do comportamento comprador dos americanos. Ontem, o Portal Martin Behrend divulgou que, pela primeira vez na história, a Argentina ocupava a primeira posição entre os países compradores de calçados brasileiros, ultrapassando os Estados Unidos - matéria no link http://www.martinbehrend.com.br/noticias/noticia/i.... As companhias americanas estão diminuindo os negócios no Brasil, buscando cada vez mais na Ásia: preço, preço, preço.


No ano passado, as exportações para os EUA já haviam caído 14% (tanto em pares como em valores). No primeiro trimestre deste ano, os norte-americanos compraram 2,8 milhões de pares, pelos quais foram pagos US$ 37,13 milhões, quedas de 11,5% em volume e de 22,6% em receita na relação com igual ínterim de 2017.

RECEBA EM PRIMEIRA MÃO

Sem spams comerciais. Apenas informação.

Publicidade
Publicidade

PARCEIROS