NOVO HAMBURGO

25°C

Publicidade

Mais uma etapa vencida para construção do Complexo Hospitalar Unimed VS

Estudo de Impacto Ambiental foi entregue na Prefeitura de Novo Hamburgo

16 de Março, 2018 às 08:41

Terreno onde será erguido novo empreendimento fica ao lado do hospital

Um investimento de mais de R$ 100 milhões em Novo Hamburgo teve mais uma etapa superada.


A Secretaria de Meio Ambiente (Semam) da Prefeitura de Novo Hamburgo recebeu no final da tarde desta quinta-feira (15) o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e seu respectivo Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) do novo complexo da Unimed Vale do Sinos que será construído no município. O investimento será realizado no quarteirão ao lado do atual hospital da Unimed VS, em frente à entrada do Parcão.


Em relação ao EIA e a Rima, são cinco volumes e cerca de 1.200 páginas com informações que passam a ser analisadas por uma equipe multidisciplinar da Semam já a partir desta sexta-feira (16), embora não exista um prazo pré-determinado para esta avaliação. Como são muitos documentos a serem analisados e verificados, e trabalho que levará semanas.


O EIA/RIMA foi produzido por uma equipe de aproximadamente 40 pessoas, envolvendo profissionais da área de biologia, engenharia, geologia, arquitetura, química e assistência social, entre outros. O material foi repassado por Flávio Rocha, assessor de Relacionamento Corporativo da Unimed VS, ao titular da Semam, Udo Sarlet.


Publicidade


Em relação ao Complexo Hospitalar Unimed VS, o empreendimento será erguido num terreno com 6.287 metros quadrados e terá mais de 20 mil metros quadrados de área construída em seis pavimentos. Serão mais 120 leitos de internação e outros 20 leitos de UTI adulto. Haverá ainda setores de Emergência, Bloco Cirúrgico e Centro de Diagnóstico por Imagem. O novo espaço formará com o atual hospital Unimed VS um dos melhores e mais modernos complexos hospitalares do Brasil.


A Unimed VS vem tentando há mais de cinco anos viabilizar o empreendimento. Contudo, como ele será erguido junto à área de preservação ambiental e histórica - o Parcão -, houve uma série de obstáculos a serem superados para poder avançar na liberação da obra. Os principais questionamentos vieram por parte do Ministério Público (MP).

RECEBA EM PRIMEIRA MÃO

Sem spams comerciais. Apenas informação.

Publicidade
Publicidade

PARCEIROS