NOVO HAMBURGO

17°C

Publicidade

Três indústrias de Novo Hamburgo e uma de Campo Bom participam de feira na Colômbia

A Colômbia é um dos principais destinos das exportações brasileiras de máquinas para calçados

29 de Janeiro, 2018 às 17:35

Feira em Bogotá costuma trazer bons negócios para empresas brasileiras. Divulgação

As empresas de Novo Hamburgo Erps, Master e Mecsul, e a Tecusi, de Campo Bom, estarão expondo suas novidades e tecnologias na EICI - Exhibición Internacional de Cuero e Insumos, Maquinaria y Tecnología. A tradicional feira começa nesta terça-feira (3) e se encerra dia 1º de fevereiro, em Bogotá, na Colômbia.


A ação do projeto Brazilian Machinery é desenvolvida pela Associação Brasileira das Indústrias de Máquinas para Couro e Calçados (Abrameq), em parceria com a Associação Brasileira de Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos (Assintecal) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). E tem ainda o apoio da Secretaria do Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul. Completam a delegação gaúcha as indústrias Sazi e Tecnomaq, de Farroupilha, e Supol, de Canoas.


A Colômbia se caracteriza como uns dos principais destinos das exportações brasileiras de máquinas para calçados e a EICI é umas das mais importantes feiras do setor nesse mercado, Vinicius Fonte, gerente de projetos da Abrameq, destaca que, “por conta disso, estar presente neste evento é sinônimo de prospecção de bons negócios para as nossas empresas”. Fonte adiciona que “para potencializar os resultados, a Abrameq promoverá rodadas de negócios para as empresas brasileiras participantes da ação terem um espaço mais apropriado para a apresentação de suas novidades tecnológicas para o setor calçadista”.


Publicidade


Sobre o Brazilian Machinery


O projeto Brazilian Machinery é uma iniciativa conjunta entre a Abrameq (Associação Brasileira das Indústrias de Máquinas e Equipamentos para os Setores do Couro, Calçados e Afins) e a Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos). O principal objetivo é o de promover internacionalmente a indústria brasileira de máquinas e equipamentos para couro e calçados, explorando a qualidade e todos os diferenciais do produto brasileiro.


CALÇADISTAS NA COLÔMBIA


Além da EICI, estará sendo realizadaigualmente em Bogotá a International Footwear and Leather Show (IFLS). A Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados), por meio do Brazilian Footwear, programa de apoio às exportações de calçados mantido em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), terá a participação de 23 marcas na feira, que ocorre na mesma data: de 30 de janeiro a 1º de fevereiro.



Na feira do ano passado, foram gerados quase US$ 3 milhões em negócios imediatos, com expectativa de chegar a US$ 18,5 milhões nos meses seguintes por conta das vendas alinhavadas durante a feira. “A perspectiva é de aumentar esse número”, acrescenta Maria Patrícia, ressaltando ainda o trabalho de matchmaking – reuniões pré-agendadas com compradores locais - que foi realizado para a maior eficácia das negociações.


A Colômbia é o sétimo principal mercado internacional para o calçado brasileiro. No ano passado foram embarcados para o país 7,4 milhões de pares que geraram US$ 38,4 milhões. Participam da IFLS as marcas Piccadilly, Beira Rio Conforto, Moleca, Vizzano, Molekinha, Modare Ultraconforto, Molekinho, Bottero, Verofatto, Sua Cia, Sandálias da Lua, Rider, Ipanema, Grendha, Zaxy, Cartago, Grendene Kids, West Coast, Cravo & Canela, Petite Jolie, Suzana Santos, Renata Mello e Invoice.

RECEBA EM PRIMEIRA MÃO

Sem spams comerciais. Apenas informação.

Publicidade
Publicidade

PARCEIROS