NOVO HAMBURGO

38°C

Publicidade

Na sexta, Fernandinho foi preso por estar fora da lei. Na segunda, votou na Câmara novas leis para Novo Hamburgo. Tudo dentro da lei.

Vereador do Solidariedade participou normalmente da sessão da Câmara de Vereadores

09 de Outubro, 2017 às 21:55

Vereador afirmou que vai provar sua inocência durante o processo. Reprodução

Na manhã de sexta-feira (06), o vereador de Novo Hamburgo Emerson Fernando Lourenço, o Fernandinho (SD), foi preso em flagrante por posse de um revólver calibre 38 furtado. Estando fora da lei, foi preso. Ficou cerca de 30 horas recluso na Central de Polícia.


No sábado (07) à tarde, foi colocado em liberdade após habeas corpus concedido pelo desembargador do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS) Sérgio Miguel Achutti Blattes. O pedido de liberdade foi encaminhado pelo advogado do parlamentar, Eduardo Pivetta Boeira.


Nesta segunda-feira (09) à noite, Fernandinho esteve normalmente na sessão da Câmara de Vereadores de Novo Hamburgo. Ele participou das votações e aprovou leis para a cidade de Novo Hamburgo. Tudo dentro das leis e das garantias da legislação vigente. “Não existe impeditivo jurídico para ele acompanhar a sessão”, destacou o procurador geral da Câmara de Novo Hamburgo, Vinícius Bondan. “Não há figura do afastamento preventivo. Estamos observando a Lei Orgânica e o Regimento Interno da Casa”, completou


Durante a sessão desta segunda-feira, alguns vereadores que costumam esbravejar e fazer discursos muito fortes contra políticos ou integrantes de outros poderes, como Executivo e Judiciário, colocaram panos quentes no assunto. Preferiram se omitir sobre uma conduta bastante questionável de Fernandinho – um representante do Poder Legislativo fora da lei em relação à posse de arma de fogo. Alguns parlamentares tão críticos com posturas de servidores de outros poderes, desta vez, fizeram de conta que o assunto não era grave.


Publicidade


Quem fugiu à regra foi o vereador Inspetor Luz (PMDB). Ele tratou o tema com transparência, destacou a operação dos colegas da Polícia Civil, lamentou alguns ataques que a Câmara recebeu em razão do episódio de Fernandinho e cobrou algum posicionamento do Legislativo hamburguense em relação à Comissão de Ética. Inclusive, pediu esclarecimentos da presidente Patrícia Beck (PPS) e do vice-presidente Naasom Luciano (PTB).


Após a fala de Luz, Fernandinho fez uma questão de ordem. “Quero dizer que estou à disposição da Justiça. E nos autos vou provar minha inocência”, falou. Além disso, pediu uma cópia de DVD com a fala do Inspetor Luz. Na sequência, o parlamentar do PMDB também pediu uma cópia de DVD com a fala de Fernandinho.


A reportagem do Portal Martin Behrend mais uma vez tentou entrevistar o vereador Fernandinho. Contudo, através de sua assessoria, foi informado que ele não concederá entrevistas à imprensa. Apenas seu advogado Eduardo Pivetta Boeira está habilitado a falar sobre o caso.

RECEBA EM PRIMEIRA MÃO

Sem spams comerciais. Apenas informação.

Publicidade
Publicidade

PARCEIROS