NOVO HAMBURGO

25°C

Publicidade

Caminhada pela Paz será em memória a adolescente morto por bandidos no bairro Canudos

Comunidade também cobrará reforço na segurança ostensiva da Brigada Militar e Guarda Municipal

11 de Julho, 2017 às 17:57

Novo Hamburgo está chorando a perda de mais um filho vítima da violência e da insegurança pública. Tainã Carlos Leiser, 17 anos, não resistiu aos ferimentos após ser baleado por dois assaltantes e veio a falecer há poucos dias. Ele foi abordado por dois criminosos na frente da namorada de 16 anos e do pai de 54 anos, na Rua Odon Cavalcante. O trio retornava de um culto religioso. Os criminosos tentaram levar o celular de Tainã, que após entrar em luta com um dos criminosos levou um tiro na cabeça. A dupla de assaltantes fugiu sem levar nada. Após alguns dias de orações e esperança, Tainâ veio a falecer.


Neste sábado (15.07), será realizada a Caminhada da Paz. A atividade ocorrerá às 15h30, em frente ao Instituto Seno Ludwig (CIEP). Será uma maneira de homenagear o adolescente e, ao mesmo tempo, cobrar mais segurança por parte da Prefeitura (através da Guarda Municipal) e do Governo do Estado (com a Brigada Militar). Segundo moradores da rua e entorno, são frequentes os casos de assaltos a cidadãos de todas as idades.


Publicidade


Segundo os organizadores, a Caminhada da Paz passará pelas seguintes ruas: Presidente Costa e Silva, José Aloísio Daudt, Silvio Gilberto Christmann, Barbacena, Ícaro, Balzac, Carmem Mirando (Maria do Carmo Miranda da Cunha), Oscar Horn, Odon Cavalcante, Adonai Nunes dos Santos, Amalie Thon e Ana Terra (chegada). A comunidade está convidada a levar cartazes, balões e faixas pedindo por mais segurança, menos violências e tempos de paz.


A sociedade clama por mais segurança nas ruas, mais presídios para bandidos e uma Justiça mais severa - que seguidamente libera a bandidagem para seguir cometendo crimes. A legislação precisa ser dura com quem mata e tira uma vida. A reação de verdade está demorando pra acontecer. São mais de 50 mil assassinatos por ano no Brasil. Ou muda, ou seguiremos chorando a morte de nossos filhos.

RECEBA EM PRIMEIRA MÃO

Sem spams comerciais. Apenas informação.

Publicidade
Publicidade

PARCEIROS