NOVO HAMBURGO

24°C

Publicidade

Comusa anuncia investimentos de R$ 36 milhões para substituir canos de redes de água

Sem manutenção nos últimos três anos, rede sucateada rende cerca de 250 consertos por mês em vazamentos

12 de Junho, 2017 às 16:09

Canos de PEAD que serão instalados no programa apresentado hoje. Comusa/Divulgação

Um dos problemas que mais irritam os hamburguenses começará a ser combatido com investimentos pela Comusa Serviços de Água e Esgoto. Os vazamentos na rede de água de Novo Hamburgo, que muitas vezes representam corte no abastecimento, buracos na pavimentação e muita dor de cabeça aos moradores, deverão ter significativa redução com o Programa de Substituição de Redes de Água. Nesta segunda-feira, a prefeita Fátima Daudt (PSDB) e o diretor-geral da Comusa, Silvio Klein, reuniram a imprensa local para anunciar as novidades. “Conforme nossa campanha, vamos trabalhar com planejamento e execução. Este é um exemplo: começaremos agora e este trabalho seguirá pelos próximos três anos”, destacou Fátima. O investimento será de R$ 36 milhões (sendo R$ 9 milhões por ano no período 2017-2020), com recursos próprios.


O Programa de Substituição de Redes de Água consiste na instalação de tubulações de Polietileno de Alta Densidade (PEAD), bem mais resistentes que os canos antigos, podendo durar cerca de 50 anos. “Eles também são mais flexíveis que os atuais, o que é uma vantagem se contarmos a movimentação da terra ao longo do tempo”, destacou Klein. Ele relembra que nos últimos três anos praticamente não houve manutenção na rede. Atualmente, a Comusa tem uma média mensal de 20 concertos de vazamento pela cidade em função da estrutura obsoleta e desgastada com o ocorrer dos anos. “A estimativa é que esta média diminua em 15% a cada dois anos”, projeta Klein.


Publicidade


Este investimento da Comusa não representará aumento na tarifa de água. “Faz parte dos valores arrecadados com a tarifa. A manutenção está incluída”, reforça Fátima. O edital foi publicado nesta segunda-feira. A licitação pública será em 14 de julho. Caso não haja contestações, as obras poderão começar imediatamente, ainda no final de julho ou começo de agosto. “Já temos o mapeamento e os projetos. Tendo a empresa vencedora, poderá começar assim que possível, frisa Klein.


ASFALTO E CALÇADAS


Muitas das intervenções serão realizadas nas calçadas (passeios públicos), sendo que ruas e avenidas receberão intervenções apenas quando forem obras nas adutoras, e não nos ramais. Desta forma, o impacto na mobilidade urbana será reduzido, garantindo um trânsito menos confuso. E como ficarão as calçadas que serão retiradas para colocação dos canos? “Vamos fotografar tudo antes da obra ser realizada. Depois, vamos buscar materiais similares ou muito parecidos para devolver em boas condições. Vamos evitar muitos transtornos, sabendo que em alguns casos será impossível, em função de garagens. Mas prometemos o máximo de rapidez nas intervenções”, promete Klein.


Buscando o máximo de efetividade, a Comusa vai trabalhar em sincronia com a Prefeitura, dando prioridade às ruas que serão asfaltadas pela Secretaria de Obras Públicas, Serviços Urbanos e Viários. “Isso é planejamento. Trabalharemos em duas melhorias de uma única vez”, destaca Fátima. A previsão é que em quatro anos sejam substituídos 100 quilômetros de rede, numa média de 25 quilômetros por ano.


OBRAS PRIORITÁRIAS APÓS CONCLUSÃO DA LICITAÇÃO


Adutora da Rua Caçador (parte dos bairros Ideal e Rio Branco)

Adutora da Avenida Victor Hugo Kunz (bairro Hamburgo Velho e parte do São Jorge)

Interligação do Sistema Morada dos Eucaliptos (Loteamento Marisol, atualmente abastecido pela Corsan)

Sub-sistema da Rua Magalhães Calvet (parte do bairro Operário)

Setores da Rua Leopoldo Wazun (bairro Santo Afonso)

RECEBA EM PRIMEIRA MÃO

Sem spams comerciais. Apenas informação.

Publicidade
Publicidade

PARCEIROS