NOVO HAMBURGO

24°C

Publicidade

Nada de novo debaixo do sol

O livro Bíblico de Eclesiastes, no Antigo Testamento, já dizia há mais de três mil anos:

22 de Maio, 2017 às 21:34

O livro Bíblico de Eclesiastes, no Antigo Testamento, já dizia há mais de três mil anos: "nada há de novo debaixo do sol". As ruínas de Pompeia, na Itália, mostram como esta é uma premissa verdadeira.


A erupção do vulcão Vesúvio no dia 24 de Agosto de 79 d.C. criou uma chuva de rochas incandescentes e uma avalanche de cinzas e gases tóxicos que acabou matando por asfixia grande parte de seus 20 mil habitantes, algo muito desagradável especialmente para quem tinha planos para o dia 25. Mas os sedimentos do vulcão também ajudaram a preservar o que restou do lugar, sendo possível vislumbrar a rotina de uma cidade romana do século I.


Pompéia continha dezenas de restaurantes inclusive para lanches rápidos, como faz hoje o Kings Kão em Novo Hamburgo. Fornos de barro, tigelas e até mesmo cardápios inscritos em paredes foram lá encontrados... digo lá em Pompéia, não em Novo Hamburgo. Como seria o Kachurrasco daqueles tempos é algo que gostaria de saber.


Um fato curioso; a exemplo do que ocorre atualmente na Holanda, havia um distrito dedicado aos prostíbulos. A atividade era legalizada e desenhos de órgãos sexuais masculinos feitos nas calçadas mostravam a localização das casas de tolerância mais famosas da região, numa espécie de Google Maps da época. As edificações ainda conservadas guardam inclusive rabiscos similares às avaliações feitas em sites como Trip Advisor ; “Se quiser sexo, pergunte por Ática. O preço é 16 asses”. Aliás, as prostitutas de Pompéia também utilizavam os famosos nomes “de guerra”. Referências a Panta (“Tudo” em grego) e Edone (“Prazer” em grego), detalhando suas especialidades podem ainda ser vistas. E dizem as más línguas que Panta fazia de tudo, um escândalo.


Publicidade


Mas uma coisa em especial chama atenção. Os moradores escolhiam todo ano homens que administrariam as finanças e o dia a dia da cidade. E foram encontradas mais de 3 mil propagandas políticas em Pompeia. Elas costumavam ser diretas, com o nome do político junto da sigla O. V. F. ( Oro Vos Faciatis ,“por favor vote nele”). Os candidatos mais abonados contratavam desenhistas e pintores com uma caligrafia melhor e que podiam incluir retratos em seus anúncios. Eram como os marqueteiros de hoje. Júlio Políbio, um dos homens mais ricos da região e candidato a administrador municipal quando a cidade estava em seu auge, chegou a bancar um mural em que aparecia distribuindo pão ao povo.


Júlio Políbio foi eleito. Nada há de novo debaixo do sol.

Autor

Rodrigo de Bem Nunes

Saiba mais

RECEBA EM PRIMEIRA MÃO

Sem spams comerciais. Apenas informação.

Publicidade
Publicidade

PARCEIROS