NOVO HAMBURGO

25°C

Publicidade

A dor de cabeça não passa? A coluna está incomodando? Pode estar na hora de visitar um quiropraxista

A especialista Desiree Moehlecke destaca o trabalho preventivo e de recuperação realizado através da quiropraxia

14 de Fevereiro, 2017 às 15:52

A definição é da Organização Mundial de Saúde (OMS): “Quiropraxia é uma profissão da saúde que lida com o diagnóstico, tratamento e a prevenção das desordens do sistema neuro-músculo-esquelético e dos efeitos destas desordens na saúde em geral. Há uma ênfase em técnicas manuais, incluindo o ajuste e/ou a manipulação articular, com um enfoque particular nas subluxações.”


Especialidade com prática relativamente recente no Brasil, a quiropraxia está difundida mundialmente. “Nos Estados Unidos, por exemplo, muitas pessoas procuram um quiropraxista antes mesmo de um clínico geral pela compreensão do quanto as dores do corpo podem estar relacionadas com a área em que trabalha este profissional”, conta a quiropraxista hamburguense Desiree Moehlecke.


O registro é mais frequente do que se imagina: a pessoa tem cefaleia tensional (dor de cabeça) e toma remédios frequentemente como paliativos. “Muitas vezes o problema está na coluna cervical. Tudo passa por ali””, relata. Ela conta que através do correto tratamento pacientes estancaram crises de enxaqueca, registrando episódios isolados de dores de cabeça. “A quiropraxia é recomendada para todas as idades. Muitas vezes se indica como trabalho preventivo para evitar que se alcance um estágio de dor ou de longa recuperação”, detalha. As sessões variam de 40 minutos até 60 minutos. “O fato é que muitas pessoas esperam chegar no pior para começar o tratamento. Ou não tratam a origem do problema”, completa.


Publicidade


Entre os clientes, os casos com maior frequência são dores lombares e no ciático, dor de cabeça e hérnia de disco. Agora, são comuns também casos de disfunção da Articulação Temporomandibular (ATM). “As pessoas sentem a mandíbula travada ou doída. Inclusive, com dores. A quiropraxia contribui diretamente para melhorar o quadro”, relata. Ela lembra também que o fato de estarmos cada vez mais forçando a coluna para ficar usando os aparelhos celulares vai acelerar o aparecimento de dores. “Estamos nos curvando e forçando o organismo para poder ler mensagens e digitar em aparelhos cada vez menores. Isso não é saudável”, cita, lembrando que as pessoas devem estar atentas à correta posição do computador, mesa e cadeira de trabalho, evitando forçar a estrutura óssea de forma indevida por muitas horas diariamente.


Formada pela Universidade Feevale, Desiree Moehlecke atua desde 2013 como quiropraxista. Atualmente atende no Núcleo de Atendimento Psicológico (NAP), em Novo Hamburgo, onde tem uma sala preparado para receber seus clientes. Desiree também mestre em Biociências e Reabilitação pelo IPA, de Porto Alegre. Além da Feevale, a Universidade Anhembi Morumbi oferece o curso. Contatos pelo site www.semdores.com ou www.napvs.com.br.

RECEBA EM PRIMEIRA MÃO

Sem spams comerciais. Apenas informação.

Publicidade
Publicidade

PARCEIROS